HOMENAGEM AO C. R. VASCO DA GAMA

O RESGATE E A CONSERVAÇÃO DA MEMÓRIA DE UM GRANDE CLUBE FAZEM DO SEU PASSADO UM EXEMPLO E INCENTIVO PARA NOVAS CONQUISTAS.
ESTE BLOG PRESTA UMA HOMENAGEM AO CLUB DE REGATAS VASCO DA GAMA E A TODOS OS COLECIONADORES QUE GUARDAM COM CARINHO A MEMÓRIA E AS GLÓRIAS DE UM DOS MAIORES CLUBES DE TODOS OS TEMPOS, ATRAVÉS DA DIVULGAÇÃO DE IMAGENS DO ESTÁDIO DE SÃO JANUÁRIO E ACERVO PARTICULAR.
NÃO PERCA, TODA A SEMANA, NOVAS IMAGENS SOBRE COLEÇÕES, ANTIGUIDADES E CURIOSIDADES DO C. R. VASCO DA GAMA.
SEJA UM MEMBRO SEGUIDOR DO MAIOR ACERVO DE COLECIONISMO VASCAÍNO.
O QUE ERA BOM, FICOU AINDA MELHOR.
BEM VINDO, ENTRE... A CASA É SUA!

sexta-feira, 8 de junho de 2018

Foi destaque... na Revista do Esporte!


SÓCIO Nº 1 REVELA:
VASCO ESTÊVE PRESTES A FECHAR

JOAQUIM CAMPOS SALVOU O CLUBE DA RUÍNA 
ATRAINDO PARA ÊLE OS HOMENS RICOS DO CAFÉ.

- Meu trabalho no Café Câmara (de 5 da manhã às 6 da noite) prejudicou minha dedicação ao Vasco da Gama. Não fôra isto e teria dado maior colaboração ao meu querido clube. Mas não me queixo muito porque meus patrícios souberam levá-lo a uma invejável situação. - Virgílio da Silva Lopes (sócio número um do grêmio da cruz de malta) está falando à Revista do Esporte.
Foi em 1892 no governo Floriano Peixoto, que Virgílio chegou ao Brasil, trazido por seu tio que era capitão da marinha mercante. Seu pai, também comandante, não quis que êle seguisse a carreira do mar. Escapando à febre amarela, numa fazenda fluminense, logo começou a trabalhar. Quando da fundação do Vasco, foi um dos primeiros a assinar sua lista inicial. Em 21 de agôsto de 48, em bonita solenidade, recebeu do clube um artístico medalhão de ouro.
Virgílio Lopes (com quase oitenta anos) volta a falar:
- Nunca tive muita paixão pelo futebol, mas gostava de ver Russinho e Jaguaré jogarem. Eram um caso muito sério para a equipe contrária.
Êle depois conta algo sôbre o lamaçal da Praia Formosa, onde o remo foi iniciado (pois era o forte do Vasco); a mudança para o Boqueirão; os remadores que foram reforçar o Internacional; a passagem para Santa Luzia e o esforço de Joaquim Campos (quando o clube estava prestes a fechar) tratando da regularização dos recibos e atraindo os homens do café (ricos) para dar mais vida à agremiação. Diversas vêzes foi convidado a integrar a diretoria, mas suas ocupações eram muitas e êle recusava. Aposentado, agora só se dedica aos netinhos (um bom número) e acompanha os jogos do Vasco pelo rádio, já que dificilmente sai da casa onde mora.
Certa vez comprou um barco com mais cinco companheiros, mas, como não tinham tempo para as remadas, o barco envelheceu por falta de uso. Quando das disputas do campeonato, Virgílio alugava uma lancha ou um bote e acompanhava os concorrentes.
E êle encerra falando do remo:
- O Vasco sempre foi bamba no remo. Sempre que saíam seus melhores elementos, vinham outros substituí-los com categoria idêntica. Hoje é diferente: o amadorismo está um pouco esquecido e o dinheiro é que dá entusiasmo.
Reportagem publicada na REVISTA DO ESPORTE Nº 19 de 11 de julho de 1959.
Acervo Almanak do Vasco

Nenhum comentário:

Postar um comentário