HOMENAGEM AO C. R. VASCO DA GAMA

O RESGATE E A CONSERVAÇÃO DA MEMÓRIA DE UM GRANDE CLUBE FAZEM DO SEU PASSADO UM EXEMPLO E INCENTIVO PARA NOVAS CONQUISTAS.
ESTE BLOG PRESTA UMA HOMENAGEM AO CLUB DE REGATAS VASCO DA GAMA E A TODOS OS COLECIONADORES QUE GUARDAM COM CARINHO A MEMÓRIA E AS GLÓRIAS DE UM DOS MAIORES CLUBES DE TODOS OS TEMPOS, ATRAVÉS DA DIVULGAÇÃO DE IMAGENS DO ESTÁDIO DE SÃO JANUÁRIO E ACERVO PARTICULAR.
NÃO PERCA, TODA A SEMANA, NOVAS IMAGENS SOBRE COLEÇÕES, ANTIGUIDADES E CURIOSIDADES DO C. R. VASCO DA GAMA.
SEJA UM MEMBRO SEGUIDOR DO MAIOR ACERVO DE COLECIONISMO VASCAÍNO.
O QUE ERA BOM, FICOU AINDA MELHOR.
BEM VINDO, ENTRE... A CASA É SUA!

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Pelé e o Vasco


Pode parecer estranho que em um número dedicado ao Vasco da Gama apareça com destaque uma matéria sôbre Pelé. Mas a verdade é que, sempre que chamado a falar sôbre o clube de sua preferência, Edson Arantes do Nascimento jamais escondeu que seu coração sempre pertenceu ao Vasco da Gama. Por isso, uma página sôbre Pelé, o torcedor vascaíno, já teria sentido. Só que dois outros tópicos tornam ainda mais merecida a inclusão de Pelé nesse número especial que glorifica a história do Club de Regatas Vasco da Gama: 1) a única camisa estranha à do Santos, que Pelé vestiu em sua carreira de profissional,  foi a da Cruz de Malta; 2) foi exatamente contra o Vasco da Gama que Pelé alcançou seu 1000º gol - marco histórico de uma vida histórica.
A presença de Pelé em gramados cariocas com a camisa vascaína ocorreu por ocasião da disputa da Taça São Paulo, em junho-julho de 1957, quando o Vasco da Gama se aliou ao Santos para participar do torneio pois sua equipe principal excursionava. O torneio deveria chamar-se Taça Morumbi, pois serviria para a inauguração do nôvo estádio do São Paulo, mas os prejuízos financeiros acabaram levando os responsáveis a suspender o torneio.
O combinado Vasco-Santos atuou quatro vêzes, as três primeiras no Rio com a camisa do Vasco e a última em São Paulo com o uniforme do Santos. Na estréia, o Combinado venceu o Belenenses de Portugal, por 6 x 1, tendo Pelé assinalado 3 tentos, Álvaro 2 e Pepe 1; a seguir, registrou-se um empate de 1 x 1 com o Dínamo de Zagreb, tento de Pelé para o Combinado. No terceiro jôgo, nôvo empate de 1 x 1 com o Flamengo, com Pelé ainda e sempre Pelé, marcando para o quadro do Vasco-Santos; na última partida, em São Paulo, o Combinado voltou a empatar por 1 x 1, dessa feita com o São Paulo F. C. marcando novamente Pelé.
O quadro base do Combinado nesse torneio que não chegou ao fim foi Wagner (Manga), Paulinho, Belini e Ivan; Urubatão e Brauner; Iedo (Artoff), Pelé, Álvaro (Del Vecchio), Jair (Valdemar) e Pepe.

O GOAL 1000
Mas se Pelé aos 16 anos de idade já despontava para o estrelato naquela época, com os jornais comentando o nascimento de "um futuro craque de seleção", foi ainda em jôgo de que participou o Vasco da Gama - só que dessa feita como adversário - que o notável jogador chegou ao máximo de sua carreira assinalando em noite de glória no Maracanã, no final da Taça de Prata em 1969, o 1000º goal de sua fantástica vida de jogador de futebol. Jogavam Vasco da Gama e Santos, o escore era 1 x 1, e uma penalidade máxima contra o arco cruzmaltino, defendido por Andrada, permitiu a Pelé seu histórico feito. Mais uma vez, cabia ao Vasco da Gama, clube de seu coração entrar com participação decisiva em sua carreira de glória.

EXTRAÍDO DA REVISTA VASCO Nº 1/1971 - GRANDES CLUBES BRASILEIROS - RGE
Acervo Almanak do Vasco

Nenhum comentário:

Postar um comentário